sexta-feira, 25 de março de 2016

O moralismo é uma merda

Parece irônico. Como diriam aqueles populares do boteco: “gozado”. É bizarro (alô, J. Traveninsk), mas chegamos lá. Lutou-se contra dominadores, contra moralistas, contra fiscais de vida sexual alheia. Pediu-se uma sociedade mais justa, mais aberta. Sentimentos nobres, bonitos. E aparentemente tão nobres quanto a causa da liberdade individual.

Mas e o resultado, cadê? Alguém bem podia me dizer “sexo só depois do casamento” e isso poderia ser tido como moralismo. Porém, há alguma diferença entre dizer isso e dizer que não posso “fazer piadas ofensivas”? A boca é minha, ora. Falo o que quiser, tape os ouvidos quem se incomodar, a menos que eu esteja na propriedade privada de alguém, porque aí, bem, temos um conflito entre dois indivíduos de ideias distintas. Duelo de cavalheiros, senhores, get the hell out, government.

Era para estarmos mais livres, reza a lenda. Não me parece ser o caso. Para cada frase, termo e até artigos (como categoria lingüística!) podem indicar opressão. Mas minha boca oprime? Porque profiro uma ideia maldita sou dominador, exerço um discurso e provoco piora no quadro social? Ora, quanto poder vocês me colocam nas mãos! Sinto-me lisonjeado, coroado e laureado.

A meu ver, se quem tanto denunciou a opressão da sociedade vitoriana quer agora me colocar uma censura, só posso imaginar que este alguém não pode estar sério. Ou então, como dizem os falantes de inglês: is fighting fire with fire. No fundo, os defensores da igualdade social tem fetiche por poder, porque acham-se dignos de podem enfiar as botas em pescoço alheio. Afinal, não teriam tido botas em seus pescoços também?

Esses indivíduos pós-modernos (e afins) só querem mesmo ser o que jamais poderiam ser normalmente: burgueses. Suas imaginações são tão curtas que não pensam fora do “sistema” que combatem. Gostam de ter empregados, de ter o poder, tendo a impressão de que têm a carta branca para fazer o bem como entendem em suas mentes medíocres. São tão porcos quanto aqueles por eles combatidos. Mas os “porcos combatidos” ao menos tiveram a decência de produzir algo além de chorume intelectual.

Vós, senhores, sois os olhos do poder, que Foucault tanto denuncia. Vós sois os arbitrários a darem as cartas na vida pessoal alheia. Vós sois os fascistas. Um conjunto de velhinhas moralistas. Porque hoje, o ato do coito em praça pública pode até ser arte, mas vaiar nunca. A vaia é criminosa, opressiva.

E se, senhores, escrevo num lapso de raiva, penso que ameaças às liberdades individuais só se revidam com tacape. E aqui estou com quem é grosseiro, com quem xinga e com quem fala o que pensa. E até com Bolsonaro, com quem concordo pouco, mas penso ter todo o direito de falar o que bem entender. Fora, fascistas e fiscaiszinhos de opinião.

Nenhum comentário: