segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Olhando para fora

Depois de muito observar gradientes de comportamento no Porto União, prefiro agora monitorar a origem disso, que certamente fica fora do CPU. Assuntos como política, história, etc... são deixados de lado porque enfiaram na cabeça dos jovens que o importante é viver intensamente e não "perder tempo" com essas coisas. Daí óbviamente a situação tende ao status atual dela.

Não há muito o que dizer sobre como resolver o problema... Mas se as pessoas levantarem a bunda do chão e desligarem o celular tocando pancadão (Não quero ofender o Funk old school¹) para lerem um pouco, coisa que ninguém mais faz, creio que essa situação muda... As pessoas vão sacar o quanto foram enganadas, e quanto otárias são elas, e não nós preocupados com essas coisas.

Por causa disso é teremos uma terrorista no poder, e gente que nem sabe que o governador do Estado de São Paulo é o Goldman... Não é informação inútil, é apenas algo do que você deve se informar. Mas também dane-se, sabe... Não sou eu que vou ficar sem balada pro causa da repressão, né... Ah, prepare-se, porra... Isto será um país facista e todo mundo preocupdo com o "Guibisson"... (Não confundir com Gibson).

Att.,
T. R. P.

3 comentários:

Patricia disse...

Infelizmente ser informado é hoje quase tão infeccioso quanto ser pobre. Não é à toa que nossas opções de voto são o Tiririca e as mulheres frutas. E sabe o que é pior? Vão ganhar.

PrPPedro disse...

É, Patrícia, vão ganhar porque apelam mais para o povo em uma situação como essa, em que nenhum candidato de terno e gravata pareça razoável. Daí o povão vota no ídolo, óbviamente. Por isso que o voto de uma pessoa com estudo não deve valer o mesmo do que o de uma empregada doméstica. '-'

Lija disse...

Quanto preconceito. '-'
Empregadas domésticas podem ser bem mais honestas e justas que muitos doutores que conheço.
Tratam dos políticos como se estivessem muito distantes de nós, como se não vivêssemos todos no mesmo país.
A corrupção no governo só acabará quando a corrupção dentro de casa também acabar.