domingo, 8 de agosto de 2010

Nota estilo "L.E.D.F.T.P." I

"Linha Editorial Depressiva com Fortes Traços Pessoais"

Classificação que criei para textos sentimentais. Vou escrever um rápido agora.

Mundo cruel. A flor-de-liz que tem varrido minha confusa e extremamente extenuada mente, acabou por não ter reação em relação ao que eu escrevi. Imaginei-me queimando textos em uma lareira em uma fria tarde de Sábado. A sensação de estar no fundo do poço é realmente torturante.

Muitos provavelmente me diriam para que eu arranjasse algo melhor para fazer ou que escrevesse textos mais importantes, mas algumas pessoas me incentivam a escrever o que for necessário, mesmo que sejam textos depressivos. E uma delas indiretamente... Ok, não precisa pensar muito. Isso, isso mesmo que você pensou.

Trancado no quarto de vidraça fechada, imagino o frio que congela a cidade neste momento, mas que felizmente não congelam os cabos de telecomunicações (Se não nem poderia escrever aqui, e isso seria ruim). Imagino o que estaria pensando neste momento uma certa rosa, de pétalas vermelhas, de um vermelho vigoroso de jovem... Vermelho que demonstra já uma plenitude... sobre a minha pessoa. Alias, melhor dizendo, não imagino.

Imagino apenas que algo fiz, e não imagino ao certo o que. O coração realmente não gosta de lembrar de épocas passadas em que a amizade existiu, e não foi apenas um mero contato via MSN. De repente a própria descoberta da realidade por trás dessa amizade tenha minado tudo.

Não posso afirmar com certeza, mas algumas pessoas acabam te colocando no freezer se percebem que você gosta delas. E friamente tentam te colocar fora do caminho com uma resposta brusca. Não é fácil esquecer uma pessoa, não é fácil. E com isso a amizade fica minada também... Mesmo que a contra-parte diga que você ainda é um amigo.

Nem tudo é como queremos, e o fracasso faz parte da madrugada.

Novamente, flor-de-liz ou rosa... Não há adjetivos ou substantivos suficientes para qualificar. Só um grande conjunto deles. Digo uma coisa: Te amo. Nada mais.

Abraços,
T. R. P.

Nenhum comentário: