terça-feira, 10 de agosto de 2010

Bad times

Finalmente passou mais uma terrível segunda-feira, e com isso foi ficando um trabalho de Química a fazer... Nada que uma rápida pesquisa e resumida da Wikipédia não resolvesse. Mesmo assim, é realmente animador ter uma Terça vindo aí, porque ainda faltam 4 dias para o fim da semana.

O bom é que com isso aprendemos a sobreviver nos ambientes mais hostis (Tá, o CPU não é o mais hostil deles, mas tá quase lá). Como já dito, o interessante do CPU é notar nos mock-ups de homens e mulheres da dita "classe média". Executivos semi-culturados versados em rebolation? Talvez. Na certa vão ser piores que seus pais.

Me chamam, me chamam na aula... Me chamam no MSN. Por que haveria eu de responder? "Ah, Pedrão, não me ignore". Acho muito engraçado quando a mulherada de calça multicolorida justinha e verificando com os olhos as pontas dos cabelos sem qualquer preocupação de prestar alguma franca atenção ao que alguém fala, pergunta pela minha atenção. Rá! Esqueçam-me. Na hora de perguntar pelo "Metrô", Raul dead, etc... Tá todo mundo unido pela causa... Mas na hora de pedir favor até reza.

Cansei também de ouvir do lobo esquerdo da sala, que certamente não é, em uma considerável porcentagem, o lobo mais inteligente da sala, e sim os tais "mock-ups" da classe média, desafinando guitarras ao som de Exaltasamba, Restart e "Iemanjá" (Seja lá o que for a música, pois acredito que a Santa não curta essas músicas).

Assim é possível ir observando a quantidade de lixo audio-visual que a pessoa que vos escreve suporta todos os dias. Certamente posso afirmar que não podemos esperar algo muito melhor que isso daqui para frente. Meus pêsames, classe média paulistana. Prova de que quando os "menos favorecidos" ascendem ao poder, não teremos nada além de The Sims incontroláveis ao som de Exaltasamba. Terrível... Terrível mesmo.

"Mas você conhece o 'Guibisson'? "

Att.,
T. R. P.

2 comentários:

Daniel SD disse...

Tem casos piores, mano. Queria ver aguentar 4 anos de excessivo funk na sua escola. haha. Mas beleza, fone de ouvido resolve *-*

Lija disse...

Aqui você mesmo admite que o que realmente há de perigoso são as ideias das pessoas (ou a ausência delas), não sua renda ou seu nível de instrução. Preste atenção no que você diz, reflita mais, estude, pesquise, não fale por falar. Palavras vazias não dizem absolutamente nada.
Depois de tudo isso, eu desisto de comentar aqui, as postagens anteriores, porque cansei mesmo do seu tom de superioridade.
Boa sorte!