domingo, 28 de novembro de 2010

Treino para Conto - I

Cerveja, muita cerveja. Já parecia suco de laranja naquela altura do campeonato. Mal via um palmo à sua frente, mas mesmo assim levantou-se. Foi ao balcão e pediu uma cerveja, mas falou que não queria suco de laranja. Todos sabiam a causa, um cheiro, que não era estranho à nenhum herbanário, se fazia sentir. O bar estava cheio, mas as duas mesas vizinhas estavam vazias.

Levantou-se, pagou com uma nota de Cem uma conta de 80. Chegou à sua casa do mesmo estado em que se levantara da cadeira. Os pais não estavam em casa, enquanto sentava em seu quarto, apenas olhava em volta, como se os objetos se movimentassem. Lhe era estranho, lhe era agoniante, mas ao mesmo tempo fantástico, e insuficiente. Precisava de mais, mas não podia mais, seus membros pareciam não atender aos movimentos.

Seus pais chegam, o chamam para a janta. Em um trocar de palavras rápido, dá tempo de se apossar de um pedaço de torta e se sitiar no quarto novamente. Dorme, dorme muito. Ao acordar, está lúcido o suficiente para lembra que tem que dirigir à algum lugar, engole bolachas, se joga no carro da mãe e sai na frente do colégio. Já não é mais o mesmo, nesta terra ganha poderes especiais, mas nem se lembra como conseguiu isso.

Era trágico. Não conseguia se dissociar seu emocional, social e físico, não conseguia se isolar. Era um só, muito sociável, é verdade, porém apenas queria ter sua vida, ouvir sua música, ter sua mulher. Não tinha isso antes, e teve tudo depois. Abriu sua mente por métodos muito mais naturais do que os neorônios poderiam oferecer.

Em ser sociável tentava encontrar o sentido de sua vida. Isso lhe segura, lhe conforta. Mas ao final das contas, nem lembrava que havia um colégio, família e pessoas, lembrava só de algumas pessoas muito próximas.

Afinal de contas, talvez nem tudo isso fosse ligado dessa forma, mas estava tudo tão mesclado, que agora seria até o fim. Tudo isso foi pensado, estava sendo pensado, neste momento, em uma cama hospitalar. AIDS no estado terminal.

--

A força da mente é a mais importante de nossas forças.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Redenção

Este blog foi durante algum tempo um constante alvo de ataques e contra-ataques. Foi depósito de depressões mal escritas, travestidas de bem escritas. Ofensas reitóricas, porém sem fundamento. Feri pessoas que não tinham nada a ver com o problema, muitas vezes. Citei nomes quase que claramente. Poderia fazer uma lista de itens aqui. Poderia escrever o nome de cada um. Infelizmente não posso fazer isso.

Apenas digo que não apagarei os textos antigos, mas deixo claro que me arrependo deles.

Levanto a bandeira branca a todos.

Imagine there's no Heaven
It's easy if you try
No hell below us
Above us only sky
Imagine all the people
Living for today


Imagine - John Lennon

Obrigado.

Att., Pedro

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Aftermath: Agora muitos devem calar a boca.

Este primeiro turno das eleições foi realmente... digamos... 'eletrizante'. E trouxe algumas supresas dignas de nota. Por exemplo: Quem poderia dizer que o Netinho iria ficar em terceiro? Let It Be, Let It Be, hahaha... E o melhor: Aloysio Nunes foi o primeiro. Alckmin também ganhou para o governo, o que prova que esta raça representada pela maldita estrela vermelha vai passar longe de São Paulo.

Agora o mais importante: Cade os 80% de aprovação do Lula? Tão na puta que pariu, certamente... Pois a Dilma obteve um tanto mais que a metade disso aí. E agora está dito que uma boa parcela da população rejeita o PT.

Sem querer ser preconceituoso, o que ferra é o Nordeste. A falta de informação e coronelismo com bolsa família continua. Realmente uma pena. But, let it be... Sabemos que metade da população não está do lado deles.

Dia ótimo (Para ser perfeito só sem o Tiririca, mas fazer o que, né ._.).

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

De tudo um nada, do pouco, um relato despreocupado

Amanheça e olhe para o relógio do seu despertador. Pense imediatamente que mais um dia não mata. Não custará suportar um pouco mais o que já acontece. Já fui preocupado com muitas coisas. Mudo agora. Minha política passa a ser a política do “foda-se”. O único jeito de sobreviver na ausência de luz é usando uma lanterna e não vociferando para que a luz volte.

Sobrevive-se nesses tempos sim! Cabeça para cima, corpo para frente, lanterna na mão, rifle da frieza na outra. Te chamaram de otário, escroto, gordo? Foda-se, o que vem dos níveis inferiores jamais pode influir em sua mente. Acredito nisso, e mais do que nunca à partir de hoje, o melhor método de lidar com ignorância é ignorar a ignorância. Você fala que sou burro, inseguro. Posso ser, mas você é um nada, fala isso por não ter mais no que reparar.

Falta do que fazer, problema sério. Porém vai um foda-se para isso também. Saiba com todas as letras: se quer ser idiota, a opção é sua. Colherás o fruto do que plantou hoje em outros dias.

Preocupo-me em quem se preocupa comigo, amo quem me ama, gosto de quem me gosta. Não estou mais nem aí para quem tenta me acertar com pequenas brincadeiras.

Bem-vindos ao novo mundo (:
Todos os inconformados, se unam à causa, e mostrem todo o seu “foda-se” diante de quem constantemente se recusa a entender.

\o/
T. R. P.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Já sei, já sei...

... vocês querem posts novos.

Infelizmente estou sem paciência para escrever algo de novo neste momento devido à falta de assunto mesmo. Para evitar looping, vou escrever primeiro offline, depois posto aqui o parecer mais "interessante". Peço desculpas pela falta de posts (Aos que costumam acompanhar de verdade).

Ah, e vou enviar o meu "projeto de blog" para um arquiteto, minha mãe é arquiteta. Quem sabe não seja aprovado e deixe de ser só um projeto. 8D (Awesome Face).

Att.,
T. R. P.

domingo, 12 de setembro de 2010

Blog do raiozinho: Um tanto quanto um depósito de depressões: Das funções de um blog.

Vlog, Blog, Slog, Alog, Podcast, que seja. A idéia básica de um blog é postar artigos. Um weblog pode ter vários propósitos, pode se prestar a finalidade de diário público ou crítica ao governo. Você escolhe (Se você estiver criando um blog, claro). A maioria das pessoas escreve sobre suas existências vazias (assim como eu faço), embora muitas dessas pessoas achem realmente legal escrever sobre a existência vazia. Tá, admito, eu acho. Mas isso é apenas porque o vazio da sociedade não dá pauta para temas importantes.

De qualquer forma todos criticam este blog apenas porque é um "Depósito de depressões". Oras, se eu só reclamo do mundo, é porque ele não tá bom. É impossível que alguém ache que está tudo certo. Se está achando, saiba: Mundo é muito mais do que você entende por mundo.

By the way, se você não gosta de textos depressivos, leia, mas não encha a paciência, ou simplesmente não leia. Ah, não adianta comentar no colégio o que escrevo aqui. Minha face de observador/escritor é destacada da face de "Aluno". Mesmo que eu esteja escrevendo um texto, serão dois modos alternados ao mesmo tempo (Alternância que diga-se de passagem não funciona bem, porque se perco a linha com idiotices alheias, demoro a retornar ao estado de consciência que utilizei para escrever o texto).

Mas tudo bem, não tenho mais forças para criticar tanta asneira. Meus textos políticos são taxados geralmente de "babacas". Meus textos criticando a classe média do CPU são classificados de "depressivos"... Os pessoais... Idem. Penso mesmo em encerrar este local, certas vezes, afinal é muito lixo de feedback. Não, os comentários eu geralmente gosto. Tirando poucos comentários idiotas, do tipo "Ô, Pedrão, assim não meu", do leitor "Alberto Alvis Corrêa" (Vulgo Pedro Lima Santos), costumo receber bons feedbacks, nesse aspecto agradeço a Patrícia, do "Odds & Ends" (Endereço nos recomendados, ao lado -->) e o Daniel Dutra, que nem tem comentado muito por aqui ultimamente, mesmo assim o endereço do blog dele se encontra ao lado, também (Embora os textos dele sejam na mesmo estilo desse, entrem e leiam também, é interessante).

Entretanto afirmo: Vou continuar escrevendo. Agradecimentos à quem me apoia!

Abraços,
Pedro T. R. P.

A good day

Acordei muito bem, eram 10 da manhã em ponto. Tomei café, e comi apenas um pão francês. Em saí para ir ao mercado, e no meio do caminho troquei uma abraço com a menina que eu amo, que bela coincidência. Depois, sem esperar muito, consegui usar muito bem o meu computador. Ele está rápido que nem um avião. Depois comecei a fazer meus trabalhos, fiz tudo em 15 minutos, era volumoso, mas a preguiça era inexistente, e era fácil de fazer.

Na Janta teve peixe, depois fui treinar os acordes na minha Gibson SG com amplificador Marshall Pré-Valvulado, e em duas horas treinei todos, tomei banho. E já estava pensando em treina-los de novo no dia seguinte. Não tive decepções, não tive problemas. Ainda fui na casa de uma amiga e a gente conversou muito bem. Recebi 3 mensagens legais no celular.

E a mina que eu gosto queria ficar comigo.

Bom, né? Seria, se fosse verdade. Forever Alone.

Att.,
T. R. P.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Cindo dias para dar dorflex à alma

Escrevo às 11h20, ao som de "chop chop" a cachorra bebe água e não posso deixar de mais uma vez escrever um artigo, apenas para constatar minhas constantes falhas.

Tudo bem, tentei variar, mas é óbvio que eu cairia nisso novamente. Não lembro qual foi a última vez em que pensei nisso, não lembro porque penso nisso o tempo todo. E seria extremamente hipócrita negar. Ainda gosto de você, ainda te amo... O que é sem dúvida letal ao coração, uma vez que é o tipo de coisa que não dá em nada.

Ligo o som do quarto, ouço Ramones, AC/DC. É, o de sempre... Só para o tempo passar mais rápido. Na manhã seguinte, me arranco da cama, coloco o meu All Star, corro entre cozinha e banheiro em um rápido escovar de dentes apenas coloco a mochila no ombro e retomo meus passos já percorridos no dia anterior, sempre em direção de um prédio cinzento, opressivo, em meio a construções toscas e mal acabadas que ofuscam o ideal de estética. Quando volto a mim, já estou no quinto andar. Ao afundar na carteira retomo o meu pensamento em você... Faço um vôo pelas nuvens e rasantes nos campos abertos, mas ao mesmo tempo lindamente arborizados... O cenário perfeito, o sentimento perfeito, só falta você.

By the way, você está a poucos KM's da minha casa, estuda no mesmo colégio que eu, mas não vai ler isso provavelmente... E mesmo que leia, no effect. De qualquer forma mantenho a minha escrita: "Eu vou falar, tente não me ouvir, contra a sua vontade ainda estou aqui" (Sugar Kane - A Máquina Que Sonha Colorido).

Agora mais 5 dias para descansar do opressivo cenário de guerra que é o Porto União.
Digo isso porque é irritante conviver com as diferenças... Essas diferenças são o X da questão. Algumas divergencias são plenamente suportáveis, desde que as pessoas estejam no mesmo nível que você, para que pelo menos você possa estabelecer um diálogo. Não existe essa possibilidade...

Pelo menos vou ter a oportunidade de viajar de novo ao extremo da cidade e zoar um pouco para apagar da mente os cabeças de bagre com quem tenho que rachar espaço, o que é realmente um porre para um intelectual.

Att.,
T. R. P.

domingo, 29 de agosto de 2010

Fear of the dark

É, escrever aqui é inútil porque realmente ninguém leva a sério ou entende. Mas rumamos ao fim do mundo ocidental. Você pode não notar o impacto disso na sua vida mediocre. Mas pode imaginar se baseando na famosa afirmação de Einstein: "Não sei como será a 3ª guerra mundial. Mas sei como será a 4ª: com paus e pedras.". As pessoas vão batalhar por comida e água. Vale a pena lembrar o cenário pós-império romano.

Acontece de dentro para fora, cristãos pacifistas pregavam que a guerra deveria ser extinta e todos deveriam viver em paz. Mas isso não é possível. Bárbaros podem ser algo comparado aos ratos que rujem, como a Coréia do Norte ou o Irã. Os palhaços são os mais perigosos, porque ninguém os leva a sério e ninguém realmente acredita que eles serão nossa ruína. Seja o palhaço o Hugo Chavez, Obama ou Tiririca.

O Irã, por exemplo, já deveria ter sido invadido por ameaçar a nossa cultura ocidental (Que cultura? Os Brasileiros não veem isso). Por que você não levanta a bunda da cadeira e começa a prestar atenção ao em vez de se preocupar com o seu "look" para a balada? Afinal se todos deixarem acontecer, você corre o risco de nem ter energia no local da balada... Vide os paisecos Chavistas que nos cercam (E que gradualmente abraçamos). Ou ainda em um estágio mais avançado matar animais a pedra porque não consegue nem cria-los mais.

Não podemos ter pena de usar nossos recursos. Não creio que os macacos criem carros e utilizem petróleo. E nem que as araras usem motores movidos a JET A1. Realmente, precisamos sim explorar nossos recursos. Algumas vezes temos que apresentar a civilização.

É pax romana. "Precisamos de um material que só existe na sua terra, você aceita e lei romana e faz comércio desse material conosco?". Se sim, tudo ocorre como combinado e o povo se une ao império, todos se tornam cidadãos romandos. Se não, porrada, meu amigo. Não podemos deixar o progresso de lado por causa da natureza e nem por causa de povos recaucitrantes.

E se os recursos se esgotarem aqui? A tecnologia suprirá, e se for necessário buscaremos recursos em outros lugares. Esse é o traço que define a humanidade, a civilização: A necessidade de conhecer o seu entorno, de saber de onde veio, para onde irá. Sempre querendo se superar. Somos seres humanos, nos desafiamos entre si, vamos longe.

Infelizmente tudo isso está ameaçado porque achamos que os povos devem se auto-determinar. Porém há um interesse por trás disso... É um interesse por dominação e poder vindo da mesma parte que critica estes interesses. Como a guerrilha. A Dilma lutava por um Brasil livre da ditadura? Nada, lutava por coisas muito piores. Queriam transformar isso em uma cuba. Para isso que serve "El foro de São Paulo". E quem não sabe o que é, sugiro pesquisar.

Mas voltando ao problema da "auto-determinação dos povos", gera um problema de leis. Índios que podem fazer o que quiserem, só porque tem uma reserva só para eles. E reservas imensas em que o direito de ir e vir é negado. É preciso entender que os índios aderiram à nossa cultura, não existe necessidade de trava-los, e muito menos de ensinar-lhes tupi. Let It Be. Este é o curso natural das coisas. O ser humano é um só, e opta pelo que é melhor para ele. Evoluímos, podemos enxergar longe. E com posse da tecnologia, do pensamento, deixamos isso acontecer? Os índios faziam queimada, eles não eram ecológicos como se pensa.

Quem tem peito para defender o lado dos humanos no filme "Avatar" do camarão lá? Ninguém! Todos tem pena dos índios... Os índios não aceitaram a "pax humana", então é necessário ir para cima mesmo. Afinal o Unobitanium (Ou sei lá qual é o nome do material) era necessário para o avanço da humanidade, que é muito maior do que uma tribo.

Pense o quanto nossa vida com carro e computador pode evoluir para algo mais tecnológico e não vai poder por que não temos mais o progresso em mente. Estagnamos. Se isto tivesse acontecido antes, não teríamos nem computador, nem celular... Nem televisão... Balada...

Sei perfeitamente que haverá algum imbecíl para questionar a constatação feita aqui e me taxará de reacionário. Porém pelo menos escreva o que foi dito aqui, e tente expandir, traçar paralelos com o que acontece hoje.

O Avatar nada mais é do que algo como os cristãos no Império Romano, e é mais um dos fatores que vai fazer com o que a nossa proteção, e centro do império ocidental, caia de dentro para fora. E depois do império virá a barbárie. E aí são outros tantos anos (Centenas, Milhares... Até mesmo milhões) até que voltemos à nossa civilização. Mas hoje temos armamentos nucleares, ou seja, hoje o mundo pode ser destruído, e colocará um ponto final à nossa humanidade. E isto está a mão de qualquer ditador, inclusive o "almadinejadh" (Sei lá como se escreve, e não quero saber como se escreve o nome desse filho de uma puta), que o cabeça de Lula apóia.

Já temos um idiota comandando os EUA, que nem sabe o que faz lá, com sérias tendências anti-ocidentais. Aqui em breve a Dilma. Estamos rapidamente a caminho da ruína. Viveremos em bunkers fechados como feudos. Brigando por água e comida, volto a dizer. Mas quem afinal dá importância a isso enquanto tiver, carro, celular, balada e churrasco? Novamente, ninguém!

Já cortaram a verba da NASA para missões tripuladas. Também destruindo o sonho de pequenos astronautas, e por conseguinte limitando a experiência humana com as descobertas espaço a fora... Impedidos de sonhar, imepdidos de realizar o progresso. Ficaremos chapados.

Amontoado de gente feliz. Todos vivendo felizes, a humanidade chapada, inexistente. Tudo perfeito demais. Como é possível aceitarmos isso? Estamos rumando para isso. Por causa de pessoas como você que só pensa em balada e praia.

Obrigado, só isso que eu tinha a dizer. E um grande "Vá para o inferno" para quem não leva a sério o que está aqui.

P.S.: O texto pode estar exageradamente raivoso, mas precisava escrever isso para lembrar as pessoas do que será da humanidade...

Att.,
T. R. P.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Sobre "cumprir tabela"

Está na moda nos colégios. Todo mundo só cumpre tabela (não me excluo disso). Ninguém está realmente interessado com o que faz na feira... E em certos casos (como o meu, por exemplo), nem tem como estar. Ás vezes por causa dos companheiros de grupo, ou por causa do tema que o professor escolheu e você não sabe nada, por isso irá se f* para pesquisar. Ou os dois, o que é péssimo, óbviamente.

O que se faz nessa situação? Faz de qualquer forma... Afinal alguma nota é melhor do que nenhuma nota. Porém fica aquela dúvida... Se só cumprimos tabela, não estaria por acaso perdido o propósito original da feira, que é incentivar a leitura? Sim, se perdeu. Então nesse caso chega-se a um veredicito: Mais uma coisa para só cumprir tabela? Então por que não vai fora?

Ah, mas o colégio precisa fazer seu "papel social". E muito mais que isso: Precisa justamente cumprir tabela (Até aí) mostrando serviço aos pais... We're a happy family, isn't it?

Mais um exemplo de visão de mundo limitada.

Agora a pergunta que fará algum leitor argumentativo (São pouquíssimos aqui) é que não se deveria acabar com a escola, já que tudo é questão de cumprir tabela? Respondo: Não... Absolutamente não. O que se deve fazer é restaurar o interesse dos alunos pelas coisas que aprendem. Isso é um processo lento, certamente... Mas para isso precisamos fazer cortes: Tirem feiras e trabalhos alternativos... Mostre primeiramente como as matérias possam ser "bonitas" (Embora nem a minha pessoa ache isso nessa altura do campeonato).

O resumo da ópera é: Professores fingem que ensinam, alunos fingem que estudam, professores e a alunos fingem que agradam os pais, e escola finge que faz seu papel social.

Cabe eu citar uma única frase: "I wanna be sedated"...

Att.,
T. R. P.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Olhando para fora

Depois de muito observar gradientes de comportamento no Porto União, prefiro agora monitorar a origem disso, que certamente fica fora do CPU. Assuntos como política, história, etc... são deixados de lado porque enfiaram na cabeça dos jovens que o importante é viver intensamente e não "perder tempo" com essas coisas. Daí óbviamente a situação tende ao status atual dela.

Não há muito o que dizer sobre como resolver o problema... Mas se as pessoas levantarem a bunda do chão e desligarem o celular tocando pancadão (Não quero ofender o Funk old school¹) para lerem um pouco, coisa que ninguém mais faz, creio que essa situação muda... As pessoas vão sacar o quanto foram enganadas, e quanto otárias são elas, e não nós preocupados com essas coisas.

Por causa disso é teremos uma terrorista no poder, e gente que nem sabe que o governador do Estado de São Paulo é o Goldman... Não é informação inútil, é apenas algo do que você deve se informar. Mas também dane-se, sabe... Não sou eu que vou ficar sem balada pro causa da repressão, né... Ah, prepare-se, porra... Isto será um país facista e todo mundo preocupdo com o "Guibisson"... (Não confundir com Gibson).

Att.,
T. R. P.

domingo, 22 de agosto de 2010

23h30

30 minutos para o fim do dia... E pouco mais de 6 horas do nosso inexato tempo para o colégio. Blargh, não quero falar disso novamente. Haviam coisas a se fazer para manhã... Tarefas. Óbviamente fiquei sem fazer, afinal fui visitar tios lá na Vila Prudente... Voltei, e quando voltei já eram 6 da tarde. Querem mesmo que eu corra para fazer isso? Tá, eu tive tempo. Mas é muita coisa. I can't make it on time.

Agora, aproveito a onda... Assisto vlogs... E converso com cada vez menos contatos no MSN. A noite se afunila como que formando uma seta... Uma seta que indica a cama. 23h30 quer dizer isso. Pelo menos para mim.

Agora pense você o que é observar os absurdos do dia-a-dia e ter que achar tudo normal... Se você fosse um observador preocupado com o mundo, aturaria isso?

Att.,
T. R. P.

sábado, 21 de agosto de 2010

"Ah tá, haha"

Posto-me a frente das coisas e acredito que certas vezes essa possa ser mesmo uma resposta plausível a vários problemas que nos são relatados. Algo como dizer: "Ah, entendi agora... haha" (I Understand, but I don't care about this).

Mas pois é, não vou me extender na parte do significado. De qualquer forma algumas coisas no dia de hoje realmente "bugam" a minha perturbada mente. Primeiro é chegar na divisão do inferno (colégio) e ter que suportar o de sempre (Leia os posts mais antigos). E depois chegar no mercado e ter certeza de que já aniquilaram de vez o menor traço de cultura. Sim, algum desconto pela posição de trabalho do cara até podemos considerar... Mas o que você pensaria de alguém pedindo no balcão da padaria da seguinte forma:
- Me vê duzentAS gramas de mussarela, duzentAS gramas de mortANdela e dez pÃOs, por favor.
O que você pensaria? Fiquei horrorizado. Confesso que até o muito proliferado erro do "onde" me irrita, imagina essa atrocidade aí?

Voltei para casa... E ainda não voltei a estudar os exercícios da aula de violão (guitarra). Mesmo porque depois que voltei minha tia me fez ler uma reportagem sobre um cara da Globo que morou na Favela mesmo tendo dinheiro porque talvez fosse muito humilde... Ou porque houvessem vantagens por lá... Vai saber.

E assim as coisas vão me colocando fora dos trilhos... Pois como disse a Teté... Esses probres cheiram a coxinha... Pow, a maioria quer. Afinal hoje ser pobre ou pagar de pobre tá na moda... Isso você vê até no vestuário das pessoas: Bermuda, chinelão havaianas e camisa com estampa de surf, ou de vez em quando camisa da Ecko... Tudo bem, a marca não importa. Mas de qualquer forma ninguém deveria transformar roupa de praia ou de casa em roupa de sair ou ir trabalhar.

Eu uso bermuda... Sim... Muitos usam, não é ESSE o problema. Digo essas coisas porque sempre faço questão de colocar uma meia, tênis e uma jaqueta para ir até ao mercado. Não me misturo aos "manos".

Então isso me leva a concluir que realmente está muito fincada na nossa cultura essa questão do "pobretismo"... Vamos parar com isso... Quem é pobre não deve se conformar e se orgulhar, e quem tem dinheiro não precisa bancar o tosco, mesmo que seja só de brincadeira (como eu espero que seja em 100% das vezes, by the way...). Mas elejo um símbolo perfeito para o que estou falando: Regina Cazé. Chega, não precisamos de mais comunidades de pobre, já temos muitas.

Seguimos assim: Povo sem educação, pobres orgulhosos de serem "gente simples"... Onde vamos com isso?

"Mas sabe o que acontece?
RONALDO!" ¬¬'

Think about...

Att,
T. R. P.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Postagem do desenterro - II Edição

Mais uma vez fiquei uma porrada de tempo sem escrever. Na verdade é falta do que dizer mesmo. Já me manifestei em relação à minha amada, bem como meu pai, assim como manifestei indignação quanto aos tipos estranhos à minha volta.

Não gosto de loops, por isso fiquei algum tempo sem escrever.

Mas uma coisa está muito clara para mim. Há algo de errado no CPU, ou em mim... Algumas vezes enquanto estive no colégio ouvi a CBN... Mas poucas mesmo, e só por isso todo mundo diz que ouço a "rádio do trânsito". Não tem graça. Para falar verdade é bem coisa de adolescente babaca.

Estranhamente não existe entre alunos do CPU a capacidade de fingir que o cara não existe. Não sou respeitado nem com quem eu ando, para ver onde as coisas chegaram. Até fico de pé atrás de escrever aqui, pois um dos leitores me disse que eu precisava postar no blog, porque ele queria ter com o que rir quando chegasse em casa. Ótimo, ria com este texto.

Coxinha... Ah, coxinha. Fui muito mancada com a Teté na primeira feira do ano, eu sei... Mas acredito que o que estejam fazendo agora seja pior. Tudo bem que ela tivesse um preconceito teóricamente idiota... Mas pelo menos ela assumiu, e em parte até concordo com ela. Mas isso passa dos limites, e tornaram a expressão utilizada por ela em clichê... Nenhum de nós escapou quanto à utilização dele, porém já digo de ante-mão, é coisa de idiota. Não me estranha que todos a tenham criticado, hoje estamos pobrescos mesmo... Incluindo em cultura.

Deixe estar, enquanto S4F e Carbona for mais importante que o que vier mais para frente, e se preocupar com sociedade for coisa de otário, quem vai pagar por isso são eles.


Fica a dica... Nós, que temos cérebro, faremos troll face para os sacos de ossos, e também para os sacos de músculo...

"By the way", por enquanto continuamos nossa estrada em direção ao fundo do poço, Com Dilma nos TT's, com Serra comedor nos TT's... Tá difícil. Mesmo com o povo que eu ando, não posso nem pontuar a fala com as mãos... Vira tudo piada. Oratória, reitórica... Ninguém estuda mais a arte de falar bem. Agora falar malandramente é o que conta.

Mas "eu nââsci com cabelo enroladinho, cheio da cachinho na cachola" (Ou sei lá como se escreve), mas todo mundo canta isso, então deve ser algo muito imporante.

Abraços a quem merece,
Att.,
T. R. P.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Dia dos pais

Estava pensando no que escrever agora pouco... Já que o @pereinert também escreveu sobre os dias dos pais, fica também a minha homenagem atrasada.

Domingo foi um dia simples, de macarrão a alho e oleo (Don't ask me why). Porém foi um dia comum aqui em casa, como qualquer domingo, e justamente por isso escreve hoje.

Hoje o mundo é um lugar hostil à pessoas que tem cérebro. Para se dar bem hoje em dia basta ser um desmiolado com a arte da oratória, e não é a oratória que se aprende no Trivium/Quadrivium, e sim a oratória do povão... A lábia que faz o povão ficar grudado no canal 13 a uma dada hora da tarde. 400 mil reais para interpretar um personagem que, embora original, não tem nada de especial.

Sobre estas coisas, que este que vocês escreve publica aqui, é que conversamos tanto. Devo ao meu pai o fato de eu não ser um idiota pseudo-colírio ou jogador de futebol analfabeto. Foi me falando dos seus tempos de adolescente, de universidade e de aventuras pelos jornais e redações que fiquei sabendo de muita coisa a respeito da personalidade dele. Logo gostaria de desejar de novo um feliz dia dos pais ao meu pai e também formador ideológico.

Abraços,
T. R. P.

Bad times

Finalmente passou mais uma terrível segunda-feira, e com isso foi ficando um trabalho de Química a fazer... Nada que uma rápida pesquisa e resumida da Wikipédia não resolvesse. Mesmo assim, é realmente animador ter uma Terça vindo aí, porque ainda faltam 4 dias para o fim da semana.

O bom é que com isso aprendemos a sobreviver nos ambientes mais hostis (Tá, o CPU não é o mais hostil deles, mas tá quase lá). Como já dito, o interessante do CPU é notar nos mock-ups de homens e mulheres da dita "classe média". Executivos semi-culturados versados em rebolation? Talvez. Na certa vão ser piores que seus pais.

Me chamam, me chamam na aula... Me chamam no MSN. Por que haveria eu de responder? "Ah, Pedrão, não me ignore". Acho muito engraçado quando a mulherada de calça multicolorida justinha e verificando com os olhos as pontas dos cabelos sem qualquer preocupação de prestar alguma franca atenção ao que alguém fala, pergunta pela minha atenção. Rá! Esqueçam-me. Na hora de perguntar pelo "Metrô", Raul dead, etc... Tá todo mundo unido pela causa... Mas na hora de pedir favor até reza.

Cansei também de ouvir do lobo esquerdo da sala, que certamente não é, em uma considerável porcentagem, o lobo mais inteligente da sala, e sim os tais "mock-ups" da classe média, desafinando guitarras ao som de Exaltasamba, Restart e "Iemanjá" (Seja lá o que for a música, pois acredito que a Santa não curta essas músicas).

Assim é possível ir observando a quantidade de lixo audio-visual que a pessoa que vos escreve suporta todos os dias. Certamente posso afirmar que não podemos esperar algo muito melhor que isso daqui para frente. Meus pêsames, classe média paulistana. Prova de que quando os "menos favorecidos" ascendem ao poder, não teremos nada além de The Sims incontroláveis ao som de Exaltasamba. Terrível... Terrível mesmo.

"Mas você conhece o 'Guibisson'? "

Att.,
T. R. P.

domingo, 8 de agosto de 2010

Nota estilo "L.E.D.F.T.P." I

"Linha Editorial Depressiva com Fortes Traços Pessoais"

Classificação que criei para textos sentimentais. Vou escrever um rápido agora.

Mundo cruel. A flor-de-liz que tem varrido minha confusa e extremamente extenuada mente, acabou por não ter reação em relação ao que eu escrevi. Imaginei-me queimando textos em uma lareira em uma fria tarde de Sábado. A sensação de estar no fundo do poço é realmente torturante.

Muitos provavelmente me diriam para que eu arranjasse algo melhor para fazer ou que escrevesse textos mais importantes, mas algumas pessoas me incentivam a escrever o que for necessário, mesmo que sejam textos depressivos. E uma delas indiretamente... Ok, não precisa pensar muito. Isso, isso mesmo que você pensou.

Trancado no quarto de vidraça fechada, imagino o frio que congela a cidade neste momento, mas que felizmente não congelam os cabos de telecomunicações (Se não nem poderia escrever aqui, e isso seria ruim). Imagino o que estaria pensando neste momento uma certa rosa, de pétalas vermelhas, de um vermelho vigoroso de jovem... Vermelho que demonstra já uma plenitude... sobre a minha pessoa. Alias, melhor dizendo, não imagino.

Imagino apenas que algo fiz, e não imagino ao certo o que. O coração realmente não gosta de lembrar de épocas passadas em que a amizade existiu, e não foi apenas um mero contato via MSN. De repente a própria descoberta da realidade por trás dessa amizade tenha minado tudo.

Não posso afirmar com certeza, mas algumas pessoas acabam te colocando no freezer se percebem que você gosta delas. E friamente tentam te colocar fora do caminho com uma resposta brusca. Não é fácil esquecer uma pessoa, não é fácil. E com isso a amizade fica minada também... Mesmo que a contra-parte diga que você ainda é um amigo.

Nem tudo é como queremos, e o fracasso faz parte da madrugada.

Novamente, flor-de-liz ou rosa... Não há adjetivos ou substantivos suficientes para qualificar. Só um grande conjunto deles. Digo uma coisa: Te amo. Nada mais.

Abraços,
T. R. P.

Materiais do Passado I - Lucille Times

Não farei 500 explicações sobre isso, mas esta série de posts está aí para quotar passagens memoráveis de posts mais antigos, assim tornando os posts passados mais bem explicados.

--

Let's go:

Resumo

Ano de dois mil e nove, por inteiro... Não posso lembrar exatamente em quais épocas isso se manifestou de maneira mais forte ou mais fraca... Sei apenas que no fim do ano estava extremamente aflorado, forte, vigoroso, em minha cabeça.

Lucilla S. Santos. Por algum motivo o qual não sei explicar até hoje, eu me apaixonei por ela... De qualquer forma isso gerou uma série de posts em que expliquei de forma extensiva meus sentimentos, não que isso tenha sido de tudo ruim... Mas também não foi muito bom.

Quotes

Renegado a ser, cada vez mais, um nerd gordo com capacidades de programação (O que não é algo bom, acredite), vou ficando no campo perigoso da rejeição. O fato é que eu tô pouco me f* para bullying e os caramba a 4. A rejeição aqui, é outra.

-- No post Sentimentos de Um Perdido, relato um estado de consciência na época. Basta dizer que não considero esse quote com seriedade hoje...

Me vejo desgastado pelo tempo, corroído, e desligado, alienado. Não consigo mais divisar as fronteiras da capacidade humana, limitado à, no máximo, discutir política com pessoas que não estão nem se ferrando pra isso. Ou falar num certo assunto constante que sempre vem a minha cabeça (E isso não é qualquer um que irá tirar da minha boca).

-- Post Idem, e diria que é um fato, até hoje. Não dá para falar de política externa com as mulheres de forma geral, só faltou eu dizer isso. Mas eventualmente encontrei até amigos com que pudesse comentar essas coisas.

Talvez seja trágico demais falar em decadência logo aos 14 anos...

-- Trágico. hahaha



Logo, concluo que o motivo que me força a permanência no 9ºB, ou me força a acordar cedo, está na realidade impossivelmente longe.

-- Eu estava certo.

Daí fui no MSN... Não consegui conversar de nada melhor do que eu já conversava na sala. A não ser uma confirmação de que eu era estranho. Quem me dera ouvir algo diferente nos últimos 11 anos de escola...

-- No post Mais um fim de semana... [...perdido] relato um fato comum a minha pessoa. Mas deixei de me importar com isso. Até porque acredito que sou mais normal do que o povo que fica escutando funk remixado e defendendo os valores "xxt". Vai entender...

O fato que é que isso está me afastando muito do que eu deveria realmente fazer na escola, que é tirar notas, estudar, etc... Percebo aos poucos que a qualidade na escola vai no caminho oposto do social. Pessoas doidas podem ir mal na escola, mas são sempre cools... Pessoas nerds vão muito bem, mas só falam com outros nerds, e não conseguem meninas, embora falem delas.

-- Epic Fato

Mas um relatória "para quem sabe"...
Ok, hoje eu quase mudei de trilhos... Mas eu tava enganado, era só um brincadeira mesmo, quem abraça todo mundo, confunde todo mundo também xD.

Abraços...

-- Post na íntegra. No final essa "troca de trilhos" aconteceu mesmo, mas não fiquei mais feliz por isso.

Nerd Comum - É um Geek com notas azuais (sic) (Não necessariamente notas excepcionais). Entende um tanto de computador. E pode ter interesses diversos. Ferrovias, trens, celulares, sistema rodoviário, ônibus, construções...

-- Trens, Ferrovias e Computação =! Nerdisse: Neste post defendi "o meu peixe"... Digo, o meu segmento. Mas acabo por reconhecer que é um defeito mesmo ficar preso a um sub-assunto, por isso tento me desligar dessas coisas atualmente.

Ok, Posts de Outubro... No materiais do passado II tornarei a citar mais algumas coisas desta época e acontecimentos posteriores.

Resumo final desta parte: "Linha Editorial Depressiva com traços pessoais fortes": Não é um estilo muito legal para se escrever, por assim dizer, pois detalhes pessoais em excesso tornam o texto realmente chato de ler. Por isso espero não ter matado ninguém de tédio no meu blog e até faço um compromisso de melhorar para não cair nessa fórmula outra vez (Embora ache difícil neste ponto).

Abraços,
T. R. P.

Relato de uma noite de Sábado

Enquanto os Ramones se encarregam de utilizar bem os poucos Watts do meu rádio, escrevo aqui no blog. Talvez eu preferisse imaginar o texto tocando Blues em uma SG conectada à um Marshall, mas por enquanto isso não é possível, mesmo porque não sei tocar.

Escrevi aqui um texto bastante sentimental nos últimos dias. É triste, porém já era previsível, que não teria muita utilidade, a não ser um vazio sem resposta. Durmi, durmi bem, porque realmente durmo melhor quando eu tiro o peso das minhas costas.

Pior ainda é saber que amanhã já virá o Domingo, para depois vir uma Segunda, e consecutivamente outros 4 dias de cão... Daí preciso ler livros para a feira... "Carolina Maria de Jesus"... Sem querer desmerecer o trabalho dela, interessante, sem a menor sombra de dúvidas. Mas não é projeto de uma semana, e muito menos meu campo de interesse. Para mim "histórias de vida" não comovem, e realmente preferia algo melhor para fazer... No entanto com tanto pouco tempo só tenho uma coisa a dizer sobre ler tal livro:



I can't make it on time
I can't make it on time
I keep tryin' and tryin'
I can't make it on time

I can't hurry and you can't wait
It doesn't matter 'cause we're already late
I can't get off the telephone
It always rings when I'm alone

You gotta wait wait
'Cause you don't need no one
Wait wait
'Cause you know that I'm the one
You gotta wait
Hey, hey, hey

Ramones - I Can't Make It On Time



Também acredito que sejam questionáveis as feiras do CPU. Ninguém está mergulhado no trabalho, ninguém quer saber de feira... Todo mundo só cumpre tabela. Sendo assim ninguém precisa ser falso e levar os pais separados no colégio e gritar "We're a happy family". Sério, estou com a paciência rachada de tanto ver isso. Se tem alguma coisa boa na feira é ver aquele bando de gente inútil se ferrar para apresentar algo que nem faz idéia do que é.

Sendo assim está lançada a recomendação: Texto pronto, decorado do melhor jeito possível... Joga 10 parágrafos e mata os pais de sono. Pronto.

Well, 5 dias de cão também significam: Não entender nada de Álgebra, especialmente se a professora enche a lousa de números, e além de você ter que processar a lógica numérica, ainda precisa traçar gráficos. Seria mais fácil se o colégio não fosse tão sacal, de uma forma geral.

"I Wanna Be Sedated"

Ainda continuando... Acabo voltando desse loop e pensando na cartinha que publiquei aqui. Talvez esteja muito fora do mundo. Devo ter morrido, e alguém deve ter esquecido de me avisar. O jeito agora é esperar algo acontecer para lá de 2013. Mas não quero falar do aspecto pessoal... Só mostro como o mundo está se conduzindo hoje. Rumando para a total falta de lógica. Logo concluo que está difícil falar com as pessoas, cada vez mais estamos vivendo em uma bolha flutuante, desisto, então, de tentar fazer com que as pessoas pousem. Pelo menos por enquanto.

Boa noite.
Abraços,
T. R. P.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Público (Uma carta à alguém especial)

Sei de tudo... Sei que ao teu ver sou apenas amigo, sei que ao teu ver sou apenas alguém que queres evitar. Infelizmente sei de tudo o que pensa sobre mim. Não, não fico espalhando lamúrias aos quatro cantos do mundo, no entanto fico um tanto quanto magoado.

Minha imaginação voou a 1200 quilómetros por hora antes de se chocar em um monte que não constava no GPS, se é que é permitida uma comparação. Não entendo como é possível uma pessoa mudar tanto... Não entendo, não sei o que fiz, se foi minha a culpa, peço sinceras desculpas.

Sempre quis ser pelo menos um amigo valoroso seu, se não desse realmente para ser mais que isso. Era tudo com que realmente sonhava. Alguém que gostasse de Rock, tivesse inteligência e além de tudo linda... Imagine... Uma rosa perfeita...

Amizade que se fortaleceu em poucos meses... Éramos bons amigos. "*-*" ou "te amo" eram expressões comuns que trocávamos.... Dócil e mansa, assim como o vento em uma tarde de outono, que varre as folhas espalhadas na consciência, mas que além disso as organiza.

Ao som de uma tirada de blues perfeita de uma guitarra gasta com o tempo quem sabe? Não há ninguém que valorize tanto suas qualidades... Sua afinada e bonita voz e seu perfume servem de ticket para uma viagem sem fim nas altas frequências da minha mente.

Tudo que eu queria lhe dizer é que te amo. Você é a mais bela flor a ofuscar meus sonhos ao som dos relâmpagos contrastando com o rock'n'roll tocando no rádio. Tudo de que lembro é de você. E me resta apenas uma grande vontade de te ter nos braços... e dançarmos... e cantarmos...

Ah...

domingo, 1 de agosto de 2010

Agosto

Ah, Agosto... Mês do Desgosto. É quando finalmente você volta às aulas e tem que aguentar na TV anúncio de promoção de volta às aulas enquanto os pais correm para comprar o material para a segunda metade do ano.

Enquanto isso você já vai pensando que acaba seu tempo de paz e entra de novo na tensão. "Será que aquele trabalho é para amanhã", "PQP, não fiz a tarefa de aritmética". Quando na verdade você está com a situação sob controle e acha que não, ou vice-versa. "Overtensão" das aulas.

Mais uma vez em contato com as figuras fálicas, carregadores de roupas e outros tipos envoltos em panos, escutando música Eletrônica. Paciência, são os tempos. Resta se contentar com o fato de que o Rock nunca morre (Só envelhece). E essas outras drogas passam rapidamente. De resto não tem nada de bom ter que ouvir o "putz putz tarata putz ta"...

Ouço Ramones, Funk (Funk de gente, não "as novinhas") e AC/DC. Enquanto isso vamos levando o resultado do empobrecimento cultural nas costas. Às vezes penso que foi até a geração Rock (Eu curto, Rock, mas...) que gerou isso, com coisas como Pink Floyd (Que eu curto também, mas...) dizendo que deveríamos derrubar as paredes, que não precisamos de Educação.

Taí, os frutos acabaram sendo até os estilos ruins que surgiram. Será que isso tem concerto? A menos que criemos um movimento para revitalizar a cultura, acho que não é muito possível.

Att.,
T. R. P.

sábado, 31 de julho de 2010

Testando máquinas

Meu vizinho dá aulas de guitarra. Tá, não é tão vizinho assim... É algumas casas depois da minha. De qualquer forma fazia tempo que eu não via ele e o pessoal lá, acho que ele nem tocava guitarra ainda... Ou sim. Anyway, falei com eles esses dias, daí o cara veio em casa, apresentei minha Giannini e depois ele me chamou para ir lá no estudiozinho dele... Digo, quartinho. Havia um Marshall pré-valvulado, dois sofás, um amplificador de baixo e o computador. Ambiente legal para qualquer músico.

De qualquer forma cheguei lá com a minha guitarra meio fora de condições e não sabendo tocar nada mais do Blitzkrieg Bop (Bom, não sei ainda hm). Mas o legal é eu tive oportunidade de ver como funcionariam as aulas... Coisa que eu realmente preciso fazer para ter base. No entanto algo engraçado aconteceu, percebi que de fato eu gosto mais do Baixo. É antigo já... Sempre quis tocar os dois instrumentos.

De qualquer forma foi um dia legal para testar a parte elétrica da minha Giannini e ver que está tudo ok com ela. Acho que agora não haverão problemas para eu começar a tirar alguma coisa com a minha guitarra, exceto pela falta de um amp e da corda... Porém isso será providenciado em breve.

É legal trocar experiências com outros guitarristas, por mais que o que cada um fale uma coisa (Digo isso quanto a marca de cordas, tamanhos de palheta, modelos, amps, etc... etc...), mas acredito que isso seja normal, uma vez que cada guitarrista se adapta com o equipamento que lhe servir melhor.

Abraços,
T. R. P.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Para terminar

Ao som de AC/DC, com o álbum "Flick Of The Switch" eu escrevo algumas coisas aqui. Um leve vento varre o quintal, enquanto eu sinto um calor em tempo nublado. Tenho vontade de dormir com a janela aberta, mas não dá. Em uma metrópole onde vale "Cada um por si e deus por todos", e onde o crime é um constante risco resultante de uma força policial falha, é de suma importância que eu mantenha a janela fechada. De música em música de minha playlist vou ouvindo sem prestar atenção na letra. Um barulho de funciona como força motriz. Força motriz das engrenagens do pensamento.

Pode parecer incrível, mas eu trabalho mais com música, se gosto da tarefa que estou fazendo. Do contrário a música me desvia.

Limito-me a observar de longe o que acontece a minha volta, por mais que eu esteja perto. Ás vezes chego a pensar que não há propósito para escrever, ou para tomar nota. Mas experimente analisar o que você menos gosta. Não dá vontade de escrever algo e mostrar ao mundo o quanto você não gosta? É. Bom é quem consegue fazer isso de modo irreverente, sem disparar uma arma de fogo, ou 3 ou 4 impropérios.

Às vezes a força que garante isso falha. Ás vezes? Não, quase sempre. "The KKK took my baby away from me"... É e depois acabei ficando no mesmo estado, depois de tanto esperar o final. Situação que dá raiva. Mas tento manter a calma, porque é o tipo de coisa que acontece a todos, e o mundo não vai acabar por causa disso. Claro que todos gostaríamos que fosse diferente. Mas sempre há um primeiro acerto... E se você quer um acerto, fique preparado para os erros, você aprenderá com eles.

Processo demorado, no entanto eficiente. Eficiente mais ainda se combinado à experiências alheias, que podem te ajudar a não cometer os mesmos erros. Mas não vá pensar que você está na auto-estrada para o inferno assim que tomar uma negativa... E nem que está na escada para o céu enquanto não tomar uma. Fiz isso e fui para o inferno, admitir sempre é bom. Por mais que não funcione às vezes.

Mas só essas coisas visitam minha mente às 1h33. Fracassos... fracassos... fracassos... Volta às aulas... Mas como tudo tem seu lado bom, você pelo menos ficará menos isolado em casa e falará mais com os amigos... Tem então uma chance de apagar um pouco os acontecimentos ruins. É.

Abraços,
T. R. P.

Antes da cama, um post

**Texto não muito reflexivo, meio mal escrito e impresso do cérebro... 01h20 AM, campeão!**

Combinei comigo mesmo que hoje eu não poderia ir muito longe na madrugada, pois mal virará o fim de semana e eu já estarei em aulas. Isso é péssimo de vários modos. Ficou pendente a compra do encordoamento (Desde meados de Jukho), ficaram pendentes meus projetos no OpenTTD, ficaram pendentes... Ah, nem quero lembrar. E fiz coisas que eu nem poderia ter feito nas férias. De qualquer forma, quando o colégio torna o seu tempo letivo pesado você tende a ser menos produtivo nessas coisas.

O fato é que hoje a juventude é estranha. Por todo o lado você vê sacos de ossos rebolando ao som do... rebolation. Bem como rappers de rádio no ombro (tá, modo de dizer, hoje eles tem MP3). Enfim, tudo o que se considera meio "underground" tá fazendo sucesso com a classe média... Assim como foi com o rock, tá sendo com esses lixos aí... Porém acredito que o rock mereça mais respeito (E MUITO MAIS) do que qualquer Restart, bufalo bill ou mc zóio de gato.

Mas o mais engraçado é observar os tipos resultantes disso. Imagina só um cabelo que parece uma tigela invertida, moldada por um boné sem regulagem. Certo, agora imagine que a borda da tigela esteja bem na linha dos olhos do cidadão... E eles ainda utilizam uns panos (Deve ser, ou não, sei lá), porque roupas mesmo com certeza não são. Tais panos dão uma aparência de bufões a esse pessoal. Daí você tem palitos com banhas de pano terminados em uma tigela. Daí desça no pátio e veja uma turminha deles dançar ao som de um PSY. Sim, acho que o cidadão se move mais do que parece, pois a roupa oculta uns movimentos dele.

E então os tipos de dança? Jump, Roll(Existe?), Rebolation (É, tem dois tipos, e essa existe mesmo), Demoneition, Diabration, Avacalhation, playstation (Yeah, PLAYSTATION! PLAYSTATION!), e por final Jump and fall to wreck the ground and the head. É, nomes técnicos em inglês, meu camarada.

Existem outros tipos análogos... Um outro usa o mesmo método da tigela, só que parece uma salsicha com capacete... Adquirindo um certo formato "fálico". Inclusive usando umas camisas justinhas. Justinhas, sabe? Pois é... Justin deve ser uma dessas salsichas, só que ele canta que nem criança e daí se torna um tanto mais gay.

Mas é tendência... Tigela tá virando padrão. Vou deixar meu cabelo no estilo Ramones... Cabelo emo tá na moda E EU NÃO QUERO PARECER UM REMÉDIO PARA OLHO! hahahaha

Anyway, é só isso. Retratos das figuras do colégio particular. Tem gente que gosta, né? De qualquer forma estamos aê, sobrevivendo. É sempre muito bom encontrar a turminha do rock, é gente que ainda tem um pouco de tutano. Good bless, Rock'n'Roll! \/,,

Att.,
T. R. P.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

6 da manhã

6 badaladas mortais para o sono e ameaçadoras para a semana de aula que se aproxima. Entendo que realmente não deveria estar aqui, porém, já que estou, comento aqui as histórias da madrugada.

E chega a ser engraçado como uma pessoa pode assumir diversas personalidades dependendo do lugar onde ela está. Mostra bem como o lugar influi no psicológico da pessoa de acordo com as forças que ele aplica nela.

Enquanto em São Paulo podemos conversar sério e brincando normalmente, sem passar dos limites, como que sentados em frente á uma lareira em um dia de frio, como bons amigos. Outrora, em outro lugar, distante, 163 KM, um lugar próximo ao Acre, provavelmente (Entenda, foi uma hipérbole ¬¬'), as conversas se dão do mesmo jeito que aqui, porém de uma forma que realmente sejam distantes, dando a idéia de que você se estressou com algo no lugar em que você está, porém isso não é claramente manifestado...

E também há um conformismo sério com as situações locais. Tão sério que impede que a pessoa que figura em frente a lareira não possa aparecer com tanta frequencia, pois prefere um lugar com pouco mais que 90 habitantes (Ou não sei quantos mil). Não digo que seja por um motivo idiota, até entendo... Gostaria que fosse menos volátil.

Forças do interior: Mudam a pessoa e agem como imã.
Não, esse post não é para o entendimento de todos.

Abraços,
T. R. P.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Blog Indicado: Blog do Dan (É, ainda tá sem nome)

Tenho dois blogs para indicar, ambos estão começando. By the way, aí vão eles:
Blog do Daniel Dutra: É, eu sei que o blog dele não tem nome, mas ele está começando agora e nem sabe se vai usar o endereço que ele escolheu. Mas é mais um blog começando, vale a pena.

Abraços,
T. R. P.

Nothing to say, nothing to write

Jurei à mim mesmo que precisava postar algo aqui hoje. Precisava, pois esse recesso foi cheio de acontecimentos incomuns. Incomuns, pois não posso os rotular de "engraçados" ou "curiosos", afinal a mim mesmo só coube assisti-los, mesmo os que foram inerentes à minha pessoa. Contarei-os fora de ordem.

É engraçado como tudo acontece no pior momento possível. Maquele final de recesso em que você já está bem desanimado por ter que voltar ao colégio, eis que acontece algo para te deixar mais baixo do que uma triste e só alga na planície aluvial do nilo após a vazante. É, certamente qualquer um pensaria que esse é o pior momento para o Microsoft Messenger existir. Mas ele existe, e por mais que te ajude, algumas veze vai te prejudicar também. É, internet é isso. Ela não sintetiza 100% da vida social. De qualquer forma você vai tocando devagar no assunto, não é direto, a primeira instância... Percebe que isso não dá efeito, e como resultado de uma convulsão mental, você É DIRETO, e pronto, perceba como uma pessoa pode ser cruel com quem a ama. Tudo bem, isso é normal, e vai acontecer com todo mundo, porém é algo que vai te chapar durante um tempo, depois volta ao normal e você ganha as faculdades de decidir o que fará em seguida.

Fora isso, também tive a oportunidade de aumentar o contato com um casal amigo meu, que realmente gostei de unir. Porém isso teve seu lado ruim. Sendo solteiro e amigo de um casal você tem predisposição a ganhar o trófeu parafina (Você só precisa de um esqueiro para ascende-lo, e lembre-se de não fazer isso no Cinema - qualquer cinena - e nem no Shopping Osasco). O esqueiro é barato, o trófeu parafina também. O que é impagável mesmo é a sensação do momento. Sua cabeça gira e você faz a si mesmo perguntas idiotas. É, mas isso também passa, assim que você deixar de ser uma vela solitária. De qualquer forma eu já fazia tempo que eu não me comunicava com eles pessoalmente, e acredito que a comunicação pessoal é de fato a única forma de você colocar os assuntos a par, e ter uma melhor impressão das pessoas, o que o MSN não fornece. As duas semanas que marcaram os meados de Julho foram boas. Yeah! Também gostaria de mandar um abraço para o casal from hell heaven e dizer que torço por eles.

Foi muito bom passar de ônibus pelo Grajaú, e deu para ter uma idéia do bairro. Particularmente não gostei das pessoas (Calma, achei as meninas muito bonitas), mas acho que as pessoas não se preocupam mais em andar bem arrumadas mesmo, é uma tendência. O bairro é humilde, revela que não há uma grande preocupação com arquitetura, e torna-se um retrato do que se tornou a vida urbana hoje: sobrevivência em uma selva de concreto. Interessante conhecer os diferentes pólos de uma realidade. Por mais que ela não seja o que mais desejaríamos. Good bless, 6041-10 (Só esperava que fosse um ônibus normal ao invés de um micro-ônibus).

A guitarra também foi uma boa nova nesse recesso. Já tocando meus primeiros acordes, consigo até tirar algumas músicas, na época que eu peguei ela eu queria me "sentir menos inútil". Não que eu fosse mesmo, embora minha "utilidade" seja escrever textos aqui ou... conversar com os amigos... De qualquer forma nem posso falar nisso, afinal 15 anos é muito pouco para afirmar coisas desse nipe. Mas não foi em má hora. A guitarra me deu um ânimo, embora esteja dando algumas dores de cabeça, como cordas estouradas e a falta de um amplificador (Semi-Acústica é o que há). By the way,good bless, Giannini. O jeito é nunca desistir. =)

E algo que aconteceu no início das férias. É engraçado até lembrar disso. São elas... Palitos ou não, formas muito atraentes, ou muito magrelas. Sempre ao fundo da sala. Tem como perfil a troca da informações de utilidade pública no Twitter com outras amigas. Como por exemplo: Um plano de fundo de um artista com cara de mecânico. É justamente essa informação: Previnir a página antes que ela quebre seu monitor. Achei engraçado elas comentando e resolvi fazer um brincadeira, claro que eu acabei bem desmoralizado ali, mas não importa, o importante é só observa-las. Também descobri que meu blog era um projeto de blog. Mas o bom é que ele é um projeto bem delineado e legível, e não só um punhado de frases de 130 caracteres. Por isso eu gosto do meu blog, porque ele é um projeto sem objetividade. Good bless, Blogspot. Não me importo com as palavras provenientes do fundo, limito-me a observa-las.

E para quem teve paciência de ler inteiro, um obrigado... Sei que faltou algo nesse texto, mas tento mudar um pouco minha orientação, que estava sendo puramente de ataques pessoais. Realmente não quero que esse espaço se torne um saco de lamúrias, ataques e frustrações. É pra ser texto, e se é público, que ele seja interessante à todos.

Obrigado mais uma vez!
Abraços,
T. R. P.

domingo, 25 de julho de 2010

Alguma coisa sobre cinema: Toy Story III

Antes que eu me esqueça de escrever, pois assisti esse filme na Sexta, vou falar algo sobre o Toy Story... Antes que alguém comece a zoar porque eu tava vendo um filme "infantil", sugiro que veja o filme e também, pois é muito bom, e não é o que se assiste ou o ouve que define o que é a pessoal (A menos que ela ouça ou veja coisas idiotas, tipo Restart O_o).

De qualque forma, acho interessante esse tipo de filme. E uma característica desses tipos de filme é que eles tentam mostrar de jeito compreensível às crianças o que seria um regime duro. Ali você pode ver que a creche é um tipo de Cuba ou USSR... Claro, um pouco menos que isso, afinal a criançada quer ver a trama, e não os detalhes de um sistema. Dr qualquer forma, qualquer criança que veja vai ter a possibilidade de entender o que um fugitivo enfrenta. Claro que nessa parte o filme foi mais para uma "revolução", em que eles conseguem salvar os brinquedos da creche causando um "colapso" no governo, desmoralizando seu governante (Um urso roxo cujo o nome me foge agora).

Ou seja, vale a pena assistir, até porque, além disso, a história é muito bonita, e mostra ali aqueles valores que nunca podem faltar em um bom filme para os pequenos: Perseverança e persistência para alcanaçar seus objetivos... Bem como a amizade.

A única coisa que pega no Toy Story, pelo menos no meu ponto de vista é que o brinquedo seja o melhor amigo do cara. Ah, está ok, tudo bem que certas vezes um objeto "inanimado" pode trazer diversão e realmente não ser perigoso... Daí você chamaria ele de amigo. Mas não vi os outros 2 filme e não tenho como saber se ele é tão anti-social quanto eu realmente pensei. Ou tanto quanto eu (Não, ninguém é tanto quanto eu, haha).

Taí, ao inves de gastar tempo assistindo Crepúsculo, vá assistir algo que preste. Garanto que Toy Story 3 é muito mais realista do que Crepúsculo. Por quê? Assista o vídeo do Felipe Neto sobre o assunto:



Att., Pedro T.R.P.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Let There Be Rock

Notinha rápida... Agora posso me considerar apto a aprender algo e ser menos inútil. Tipo, agora eu tenho uma guitarra =). Aprendendo a tocar e a compor alguma coisa, quem sabe eu deixe de ser bahiano (Zoeira, Pitombo =p)... Digo, deixe de ser pedreiro e comece a atrair as minas como gente normal, ou seja, o cara chato do violão. hahaha

Não, brinks... O fato é que já tenho planos de escrever algumas músicas e toca-las também, isso me fará uma enorme diferença, uma vez que música pega mais do que prosa, e quando você menos se dá conta está repetindo uma música que nem reflete o que você pensa, e acaba sendo útil para divulgar a causa... Sem contar que eu gostaria de fazer uns covers, principalmente da minha banda predileta: AC/DC.

Up the Irons! \,,/

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Cambada de filhos da p*

Vou escrever com toda a minha raiva hoje. Ou não. Mas esta porra não pode mais se engolida. Juventude idiota, meninas que entram em grupinhos, "hip hoppers" que ficam se achando, pseudo-maconheiros... Que merda, parem para pensar um minuto nessa vida vazia.
Nota específica para o Pedro Lima: "Você é o que menos pode falar alguma coisa, lembre-se!".
...continuando...
A definição de um nerd otário é quase sempre o cara que se preocupa com nota e não com vida social... Aff! E que vida social é ficar em balada vendo esses armários pegando 500 minas no maior símbolo de promiscúidade? Bebendo até cair? Esses pseudo's quando estiverem com 30 anos estarão com AIDS, estaram na cova... Lembra do nerd que fechou com 40 no final do ano? Então, ele tá em uma multinacional!

E quem disse que o nerd não se preocupa com mulher? Até mais do que esses "pegadores", não precisamos de 500, uma só, que goste de você é mais do que o suficiente.

Antes do ataque: Não me considero nerd, não trabalharei em multinacional, mas respondo aos que me chamam de otário... Gordo escroto, otário... Por quê? Hoje em dia ter cultura é ser escroto, e ser honesto é ser otário. Mais otário é quem se acha esperto porque catou 10 na balada, seja como for, aproveite e faça o mesmo extendendo a jornada ao motel, e boa AIDS! Mas mesmo que você use a fucking camisinha: Tomara que ela rasgue... Essa coisa que ficar beijando mais de uma mostra só uma coisa: falta de caráter, uma pessoa desonesta, infiel. Então se você pegou 10 na balada, ou mais, ou menos, sei lá, você que é otário, porque nem sequer entenderá depois como o mundo funciona... Seus pais não te sustentarão para sempre, idiota. Quando tu precisar trabalhar, se não for jogador de futebol e não tiver pai rico, vai ser entregador de pizza.

Desgraça é pensar que a nossa nova classe média só pensa merda... Colírios... Vida de garoto, justin... rebolation... malhação... academia?? Put's... Estará completo o nosso grau de "macaquização"... E se o pai mantém o filho com 6 mil na escola e o cara é um baladeiro idiota, o cara não tem nem pensamento de classe média... É um cara que se acha da classe média alta, mas que na verdade é pseudo-classe média... Se não sabe o que é pseudo, vá procurar em um dicionário.

Mas nós, pessoas normais, que ouvem Rock, que somos escrotos! Animais não percebem que mesmo esse lixo de balada é fruto de um grau de cilivização, tecnologia, que não teria sido possível sem cultura. Cultura está aí, conhecimento também, se não fosse por ele, queria ver a gente curtir um som das cavernas.

Pergunto, alguém que leu isso se identificou? Eu duvido, porque ninguém que eu citei aqui tem capacidade mental para localizar a sua idiotice.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Issued, May, 19th

Novamente... Notas pessoais.

Alguém conhece algum método de separação para remover uma determinada pessoa diferente de uma substância (composto) de HP+BSD+PUP?

domingo, 16 de maio de 2010

Postagem do desenterro

Reescrevo aqui para que esse espaço não vire uma aterro de idéias antigas. Ainda tenho alguma coisa a dizer aqui no tocante à atitude das pessoas de sexo feminino diante a variados tipos de garotos.

1) Caras gays. Meninas gostam de gays para que possam lhes confidenciar as fofoquinhas míninas, até porque mesmo que o fdp seja gay, ele é mais confiável que outras meninas.

2) Colírios. Caras que pegam todas em baladas, sendo assim, longe de ser BV, é um cara legal e experiente, as meninas querem ser pegas por eles, por isso pagam muito pau.

3) Inteligentes. São considerados nerds, geeks... Para as garotas isso é farinha do mesmo saco. São laicos, não frequentam balada, curtem rock... Se frequentassem também não pegariam nenhuma por lá por não estarem no melhor ambiente. Se preocupam com valores e conhecimento, sendo assim não compartilham sensações, ou seja, tem que permanecer BV, e se foder.

Agora 2) não dá futuro, o cara pode ser bombado... Dizem que deitar num bombado é idem á uma tábua de passar... E outra, o cara fica feio depois, só a puberdade passar que verás um cara que é igual ao inteligente, porém sem inteligencia... A decadência atinge a todas, e com especial severidade os que não tem nada na cabeça... 1) e 2) se encaixando aí.
3) já idealiza formas de ganhar dinheiro, será o engenheiro, será o programador, será o historiador, e não um babaca grudado na barra dos pais até os 40 anos... Ou jogador de futebol que perde tudo.

Parece óbvio... Mas elas acham que não é.

Att.
T.R.P.

domingo, 11 de abril de 2010

Por que o mundo...

... é de pessoas sem sentimento? Por que o músculo cardíaco hoje é trocado pelo muque? Por que barriga é sinônimo de escroto? Por que as pessoas não respeitam as diferenças? Por que a sociedade, hoje em dia, pega, mas não namora? Por que mulheres inteligentes ficam com caras popularinhos? Por que o mundo mudou tanto em pouco tempo? Por que as pessoas não se importam mais com a sociedade? Por que achamos que somos pessoas esclarecidas? Por que nossa mente é falsamente aberta? Por que as juras de amor são tão enferrujadas? Por que temos que mostrar quem somos pelo físico e não pelo mental? Por quê?

Linhas e mais linhas...

...inimigas, linhas e mais linhas amigas... De um grupo seleto de combatentes a ponto de ser atingido por uma lança certeira, escapar do golpe é opção única, erro inimigo é uma impossibilidade iluminada. A um passo de se salvar ou de morrer. Resultado de uma ação de ataque. Tudo acontece em segundos.

sábado, 10 de abril de 2010

O que fica

Muitas vezes todos já devem ter visto eu reclamar de meu colégio... O Porto União. Mas algumas coisas ficam na gente, como essa foto, por exemplo... Ano passado foi o ano do cão para qualquer estudante, que assim como eu, não se enturma fácil. Jamais imaginei que algumas pessoas fossem lembrar de mim por mais que alguns meses.

Me refiro as duas primeiras pessoas da foto... A Érica e a Momi... Vocês também me fazem muita falta, por mais que eu nunca tivesse assunto, ou que eu acabasse nas zoeiras da turma... Relax, isso é passado. Amo vocês :) .

Att.
Tadeu R. Pinheiro

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Corrosão...

Sofremos uma intensa ventania, a qual continua por erudir nossos valores. Essa ventania é necessariamente a falta de conhecimento, super-inclusão, entre outros. Muita gente fala demais da conta, poder demais a quem não sabe nada, valorizar a opnião de alguém com pouca informação e estudo. Nossa sociedade, assim, vai indo contra o princípio de experiência, conhecimento, sabedoria. Afinal, até um gari, do alto de suas vassouras, pode ter opnião sobre os deputados de Brasília, mesmo que ele só esteja grifando algo que ele ouviu de noite na BandNews. Oras, todos tem direito a concordar ou não com algo, mas ninguém daria voz à um gari num debate político. Olha, lembre-se, gari aqui está referindo a pessoas com pouco estudo, e não a todos os garis, eventualmente algum gari pode ter chegado à esta situação por outra desgraça qualquer.

O fato é que para alguém ter uma opnião válida, precisa defende-la com argumentos, exibi-la numa discussão. Mas tudo bem, hoje isso não é mais necessário, o Zé sem dente tem tanta importância quanto o Intelectual que tá pensando quase em tempo integral nesses lances da sociedade. Por isso também que deveria-se examinar o cara que se candidata à um cargo político, pois no Brasil existem deputados que nem sabem ler e escrever! Quanto mais defender algo em uma discussão... No máximo vai ser tosco o suficiente para impor na base da força. Não é assim.

Certamente, o poder de representatividade deve ser atribuído apenas à alguém que além de engajado com os interesses do grupo que ele representa e também com conhecimento suficiente para argumentar, e provar que aqueles interesses são válidos. O que não pode acontecer no cenário atual, em que todos falam, e uma opnião papagaiada tem tanto valor quanto uma elaborada e defendida por argumentos. Tendência.

Não vejo saída para isso, as pessoas teriam que estar mais preocupadas com as outras do que com o próprio umbigo para que a situação melhorasse. Mais uma vez: Perdemos valores básicos.

Não mais... Obrigado pela paciência.

Beijinho para as minhas leitoras lindas.
Abraço para os leitores.

Até!

Att.
Tadeu R.P..

Sobrevivendo ao tempo

Esse blog certamente é a prova documentada da minha existência na Web, já que por todos os outros aspectos ela é totalmente questionável. Também documenta bem as fases, embora elas sejam pouco definidas. Talvez este blog, como nenhum espaço que eu tive na internet anteriormente ou posteriormente, tenha me sido tão útil, razão esta que me faz mante-lo. É um lugar em que eu posso publicar coisas por desencargo de consciência, se eu achar que, todavia, elas interessem a alguém.

Há pessoas que estão pensando mais nos assuntos sobre os que eu falo aqui ultimamente do que eu... São poucas, mas não pouquíssimas. Quando converso com elas, eu ponho-me a pesar o que foi dito com o que aqui escrevo, e realmente, o que escrevo aqui pesa bem menos. Pra mim, o que tem valido mais foi o esforço de relatar tais agonias, e com o advento da Web, ficou muito mais fácil fazer isso.

Outra coisa, pra mim isso é se diferenciar dos alienados da minha idade, a maioria nem quer saber dessas coisas. Alias, para entender o que aqui escrevo, é preciso entender primeiramente no estado em que eu me encontro. Não enamorado por circunstâncias inerentes à outra pessoa, e o que está unido à ela. Bem como reduzido à indissociável condição de N.D.P. (Já expliquei esta sigla aqui no blog, dê uma garimpada nos meses anteriores, por favor), então este lugar é para mim um armário onde guardo meus textos e que eventualmente alguém vem fuçar, porque pouca gente lê o blog. Mas tudo bem, eu gosto que mexam (:.

Só digo que se você veio aqui para ler coisas que eu já citei no post anterior, é melhor que nem venha. Eu já vi isso como esforço para furar o guarda-sol dessa sociedade, mas é muita coisa, logo considero aqui um Despejo de Memória, portanto, a quem interessar, claro, aqui existem coisas que eventualmente podem ser úteis, o que vai decorrer de a pessoa saber processar a informação. Não é à toa que eu escrevo num nível diferenciado, restrinjo o público que pretendo atingir.

Beijos às minhas queridas leitoras,
Abraços aos leitores mais valorosos,
Boa noite aos leitores.

Att.
Tadeu Pinheiro

sábado, 3 de abril de 2010

Uma chuva na janela...

... é o suficiente para pensar na vida. O sol realmente queima demais os meus gastos miolos aos meus 99 anos de idade, mesmo que eu ainda possua minhas faculdades mentais aos 15 anos. Ok.

Esse post é limitado, uma vez que é de cunho pessoal. Resulta de um pensamento contínuo, o amor por uma pessoa muito especial. Infelizmente um outro cara "pegou" essa pessoa. É, odisséia clássica. SimCity 10000 no ouvido para despertar, get up, coloca calça, camiseta e tênis Nike falseta, pega a Republic Vix à tiracolo, enfia o celular no bolso, bebe o leite rapidamente, escova a surrada e zuada dentição, pega a chave e põe-se ao caminho. Este cidadão também chega a um ponto de declive, ao olha para cima coloca um pé, para depois avançar com o outro, e jogar toda a corrente sanguínea ali, aqui, trabalha um músculo, enquanto isso os carboidratos se queimam, a força mental se divide, controles cerebrais. Até que enfim ele diz:
- Ufa, cheguei.
Não pára por aí, parecendo um coqueiro pós-chuva, joga seu corpo numa cadeira.
Após estar um pouco mais aceitável desce em direção ao atrium, encontra a pessoa especial. Dói no coração ter que conviver com uma combinação estranha, esquesita. Sabemos que isto não é de longo prazo, mesmo assim corta o coração.

O que resta é olhar para o mundo e matutar onde chega a sociedade, as pessoas e também você mesmo. A música que começa a tocar na Alpha bem quando eu estava escrevendo esse texto: Pais e Filhos, Legião. haha, interessante, me deu uma força ao escrever o post.

Agora, um beijinho para as minhas queridas leitoras...
Um abraço aos manos, manos leitores e leitores
Cumprimentos a quem passa aqui pela primeira vez, convido a ler os outros posts.

Att.
R. Pinheiro

domingo, 28 de março de 2010

Pronunciamento de Número 0002 (No tocante a temas do blog)

É, esse blog é o típico "multi-purpose"... Serve tanto pra publicar pensamentos, como para tornar públicas algumas emisses que pairam sobre a minha pessoa (Não, eu não sou emo, foi apenas uma figura de linguagem). Daí eu sei que tem gente que não suporta ler textos de sociologia a noite, bom, de facto, ninguém com a cabeça no lugar aos 15 anos de idade tem paciência de ler. De escrever então.

Agora, sugiram pelo meu caro MSN ou E-mail, o que vocês esperam que eu escreva no blog? "Drogas, Sexo e Rock'n'Roll"? "Baladas da 'naith'"? "Mundo melhor"? "Variantes sobre coisas de amor que todos já sabem"? Gente, se o meu blog tem que parecer com outros 500.000.000 existentes, então por que eu tenho que mante-lo? Só para ser mais um no couro dos contentes, repetindo feito Arara de Piaçaguera tudo o que me falam ao ouvido. Não, meus amigos leitores, definitivamente:
NÃO.
Eu estou aqui para escrever coisas que pessoas normais não falam, e ainda bem!

Att.
Pedro T.R.P.

Do entardecer de uma Sexta ao raiar do sol de uma segunda...

... é o tempo que levamos para pensar na vida, se não trabalhamos ou estudamos no fim de semana. Mas este tempo está se reduzindo, perdemos tempo com coisas que fingimos que estamos fazendo com algum fingido propósito. Como dizem alguns versos da música "Ouro de Tolo" de Raul Seixas:

"Saber que é humano
Ridículo, limitado
Que só usa dez por cento
De sua cabeça animal...

E você ainda acredita
Que é um doutor
Padre ou policial
Que está contribuindo
Com sua parte
Para o nosso belo
Quadro social..."


De qualquer forma, é difícil... Precisamos muitas vezes nos agarrar em ideais para que a nossa vida ganhe um sentido, mas a realidade é refletida nesses versos, e essa é geralmente a preocupação de Filósofos que estudam a vida das pessoas, tais como os pensadores gregos que tanto conhecemos (Platão por exemplo).

Antigamente as pessoas faziam algo em nome dos deuses, para que garantissem a sua salvação, hoje, parece não se diferir muito, as pessoas fazem algo para o bem do mundo. Mas não são coisas grandes como antigamente, e da mesma forma não se produz mais pensamento. É meio triste ver as coisas por esse lado, mas sinto realmente que rumamos para o fundo do poço.

Cada vez coisas mais chinfrins substituem coisas que já eram ruins, a TV substitui a religião, a crença de um mundo melhor substitui a religião também. Sinto que trabalhamos mais por nós mesmos, afinal se isso é combinado de liberalidade, cada um faz o que considerar a sua parte. Religião, infelizmente, é fundamental, para uma civilização existir, as pessoas precisam acreditar em algo, não é a toa que todo os os Impérios e Civilizações tiveram religiões.

É, religião é isso, ruim com ela, pior sem ela. Afinal, veja você um exemplo simples: Se te dissessem que você seria salvo eternamente por tirar 10 numa prova, você teria mais incentivo para tirar 10, não? Então, é isso. Em grandes tarefas isso realmente representa um grande empurrão. Não fosse isso, não haveriam pirâmides, por exemplo.

Quero ver se a TV supre isso! Valores difundidos na mídia, contradições, sofismas, "pessoas esclarecidas". Em suma: Tempos esquesitos, não uniformes, até a pessoa com a menos valida opnião pode botar a boca no trombone. Mas essas pessoas teriam que saber do que estão falando, mas na maioria das vezes são dirigidas. Esse é o tenso da questão. Quem não tem poder de dominar, acabará sendo dominado, fator básico da humanidade.

É, puro desencargo de consciência, eu precisava colocar aqui isso, algumas coisas aqui até podem estar erradas, mas não há pensamento que não possa ser melhorado.

Boa noite para os leitores, e um beijo para as leitoras!

Att.

Pedro T.R. Pinheiro

sexta-feira, 19 de março de 2010

Interclasses FAIL

Hoje jogou 1ºB x 3ºB do Ensino Médio. Minha sala é o 1ºB. O jogo terminou 2x0 para eles. Podia terminar por aí, do tipo: pronto, perdeu. Mas o que aconteceu foi um erro de tática, planejamento. O 3ºB balanceou jogadores de porte pesado com jogadores de habilidade, sem contar que mesmo os mais "fracos" já eram suficientes para derrubar em sequência vários dos nossos jogadores.

Não entendo muito de futebol, mas não é preciso ser nenhum especialista para notar que o ataque do 1ºB era fraco demais em termos de porte, força. Alguns dos nossos jogadores podiam ser rápidos, mas isso de nada adiantava se o ataque deles vertia em uma defesa fechada e forte. Num jogo de poucos componentes é necessário que o jogador tenha porte suficiente para desempenhar ambas as funções. Enfim, há mais um jogo, contra o 3ºA, se a sala não corrigir esse problema, corre um sério risco de perder, ainda mais sendo o 3ºA a sala que levou a taça Interclasses do Colegial em 2008 e 2009, nada me faz crer que perderiam esse ano, ainda mais com uma torcida que empurra o time. Mas a essperança é sempre a última a morrer.

domingo, 14 de março de 2010

Como é difícil...

De novo, falar da papelada que tá cercando o meu meio...

Depois de providenciar devidamente um pacote de almaço, é fazer os trabalhos. Porém, muito relutante, ainda sim. Acessei a porcaria do site do Porto União hoje, e os inúteis não tem os dados de tarefas, a lista está VAZIA!!! Ok, presume-se: Não há tarefas. Daí foram me avisar as 10 do que era para fazer mais ou menos. Ou melhor... As 9h... As 10h eu estava procurando ainda. Ótimo, são 11h30 agora. Tenho a notícia, e minha impressora dá problema com moeda presa, depois problema de conexão. E ainda por cima, o trabalho é para amanhã. Infelizmente eu não vou entregar, mas vou postar aqui no Blog o trabalho. Não dá para trabalhar nessas condições.


A Melissa não imagina a falta que ela faz ¬¬'

O jeito vai ser expllicar ao Demetrius que não deu para terminar essa tarefa hoje. Se fosse por e-mail, coisa que já existe a uns 40 anos, eu já teria enviado o trabalho e o pouco texto que tinha que ser escrito... Mas tem que ser em almaço, porcamente feito, e ainda queimando células cerebrais com a escrita.

Bom... Não dá.

Vou tomar um banho, talvez volte a escrever aqui depois...
Beijos ás leitoras...
Abraços aos leitores...

Att. PrP
http://twitter.com/prppedro

sábado, 13 de março de 2010

Ferida que dói e não se sente...

Os ventos do monte mais alto de minha consciência corroem rapidamente por meio da erosão as rochas do topo, de modo que esse movimento crie os caracteres de ação de uma pessoa. Muita coisa mudou nesses últimos tempos, porém a direção (pelo menos neste caso particular) caminhou em dois caminhos opostos: chance versus sentimento. O afastamento certamente decorre da forma diferente em que o pensamento roda neste recinto. Provavelmente ele grava informações basicamentes importantes numa fita K7, ao passo de que outras mentes guardam dados inúteis em Blu-ray (Exemplo Tosco, ignore it). Os tempos mudaram, são vazios, não há mais preocupação, responsabilidade, as pessoas se sentem cada vez mais livres, se aproveitando da liberalidade dos tempos para soltar a falta de noção. A internet só colaborou para isso.

Inclusão digital mal feita, preocupações com BBB (Que não acrescenta nada, a não ser assuntos vazios que complementam o espaço de mentes igualmente vazias dizendo respeito a outros cabeças vazias), novela (Que não condiz com a realidade). Vejo gente transformando isso em cotidiano, isso corroi de uma forma a sentir uma brutal inutilidade por não saber o inútil.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Texto Confuso I (Issued March, 12)

Tô afim de ver a ladainha central, agora, ou seja, um texto resultante de uma anotação mental, se você se perder nele eu não me responsabilizo... Afinal não existe caminho certo ou errado, e sim uma série de improvisações mentais para chegar à um objetivo. Usamos 10% da nossa capacidade mental, geralmente, isso não quer dizer, porém, que ela não possa ser melhor aplicada. Por mais que isso pareça difícil, algumas poucas pessoas, conseguem usar o poder mental para ilusionismo. Segundo um professor de Filosofia meu, que já foi frade franciscano, certa vez, Quevedo havia dado uma aula enquanto ele ainda estudava para se tornar monge, então Quevedo colocou uma agulha na pessoa que se candidatou a ir até o palco, e com a agulha trespassada no braço da pessoa, ele conversou normalmente, e a pessoa nem sentiu dor alguma, e melhor: quando a agulha foi retirada, não restara nem um buraco.

Por que não tentarmos usar essa capacidade mental, ampliar um pouco essa porcentagem... Quem sabe não possamos ser mais fortes mentalmente do que usando nossos músculos?

Reeeeetornando... Poderiamos utilizar essa força, não de forma agressiva, defensiva, etc... Mas sim como uma interessante ferramenta para melhor comunicação com as pessoas, você acaba por se ter um poder de oratória mais forte.

Ninguém entendeu... Mas foi só para soltar o que tava preso na cabeça.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Fichamento de um dia...

É, voltei com os posts reflexivos. Escrevo-os aqui no blog porque nesse momento não tem ninguém para encher no MSN. Bom, voltaram as aulas já faz quase 2 meses. Mas acontece ali uma palhaçada. Nessa semana, eu vi a menina que eu gostava no ano passado (Preste atenção no pretérito), se agarrando com um cara que acabou de entrar no colégio (O Bahia). Ah, pior... Todo mundo me pede coisa emprestada, inclusive um cidadão ali da frente. Mas quando é para rachar um Halls, ou algum tipo de refrigerante, nada... Então não é amigo, certo? No CPU, 99% dos que dizem ser "amigos" são interesseiros de plantão, e de verdade mesmo, não tem nenhum no CPU. Alias, tem até alguns, mas não sei se é gente que você conversa e entende você.

O pior ainda é quando você tenta se enturmar, agora tem uma frescura na sala: "Pedir para entrosar"... , eu dúvido que esse bando de imbecís que criou essa brincadeira idiota saiba o que quer dizer essa palavra. Qual é oróximo passo? Cartão entrosamento? *--- Você tem que ter um para falar com as pessoas?

Você está lá, se sentindo um lixo, todo mundo só te chama pra te zoar. Agora nas melhores, nada. Ano passado, teve um certo aniversário que convidou todo mundo, e não tinha convite no meu nome. Tá, ano passado... Mas o que faltou esse ano? Joy? Você chega, as pessoas saem. Eu acho muito legal que eu tenha quem fale que eu sou fofo e tal, me manda mensagens, me liga no colégio. Mas como acharia ótimo falar com as pessoas sobre assuntos que realmente interessam e sem ter que "pedir para entrosar".

Eu iria além, mas eu não vou citar nomes, então que pare por aqui.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

"Tecnologias" de Sala de Aula

Eu sei que ninguém segue mais esse espaço, mas beleza.

Enfim, se alguém chegou aqui, foi provavelmente pelo link no Twitter. Bom, eu começei o ensino médio esse ano, pode-se dizer então que eu não estava acostumado, afinal, o Ensino Fundamental é uma mordomia só, kkk... Enfim, por mais que eu não esteja acostumado, tem algumas coisas que não dá para entender, como os tiques de alguns professores de passar trabalhos em almaço. Oras, a tendência de todo aluno com trabalho manuscrito (O que já é um inferno, e totalmente dispensável), já faz no papel fichário, sem precisar gastar cuca com isso.

E outra, almaço... Eu tive que ir na (com desculpa da expressão, claro) PQP para buscar almaço. A meu ver isso é invenção de jerico, tique de professor que não tem mais com o que implicar.

Bom, segundo ponto, manuscritos. Já é odiável. Todo mundo sabe que estamos no Ensino Médio e que é uma época do Ctrl+C e Ctrl+V. Ótimo, se essa é a justificativa para trabalho manuscrito... Boa, champz! /ironia. Quem quiser copiar da Web, vai copiar mesmo no manuscrito. Eu, por exemplo, não mentirei, copiarei um trabalho da internet, e não faria isso se fosse digitado, afinal, é muito mais fácil escrever no OpenOffice, editar do jeito que quiser e beleza. Nãããão, não pode... Tem que pegar e escrever no papel. Eu entendo que é importante escrever a mão, mas já passamos o fundamental todo fazendo isso, e o 9º ano eliminaria isso gradualmente, pra que? Para o Ensino Médio retomar? Ora, pois. A exemplo, tomo a Melissa, nossa querida ex-professora da Geografia, que aceitava trabalhos por E-Mail, salvo excessões, ainda assim, se fosse bem conversado, ela aceitava. Acho que ser linha dura não ajuda o professor a "ser mais sério".

É para pensar, sabe...

Falou.
Att. Pedro

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Sumi... =\

Fazia tempo que esse espaço tava encostado... Afinal, não tinha muito o que escrever aqui, sem contar, que eu tô uma porcaria para escrever sobre política. Mas qualquer coisa, é só acessar mew Twitter: http://twitter.com/prppedro... Há também um Twitter específico da U20C: http://twitter.com/u20c, enfim, não é específico, mas como a U20C foi quem me inspirou para desenvolver coisas para o jogo, ela batizou o blog (É, há um blog também: http://u20c.blogspot.com/). Abraços à todos.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010



Tudo não passou de um susto

Portanto o Pronunciamento de número 0001 foi revogado, mais notícias no próximo boletim sobre trilhos! Aguarde...

Feliz Ano Novo

Faz um mês que eu não posto aqui, mas como eu tenho mais coisas inúteis à fazer, eu fiquei sem postar, mas eu não esqueci dos poucos leitores do meu blog, Feliz Ano Novo para vocẽs :)

Pronunciamento de Número 0001

Direcionado à uma pessoa em especial.

Gostaria de primeiramente dizer que sou um grande amigo seu, que desde o início dos tempos tenho um carinho especial por ti e sua grande inteligência. Do fundo do meu mofado peito, nunca pensei que esta inteligência não processaria um dado importante, o qual deixou passar batido com uma facilidade grande. Alerto, grande amiga, que segues um caminho errônio, e que com certeza te fará passar pela mesma situação ruim que se sucedeu a este ano. Gostaria de acreditar que isto é apenas experimental. Tudo o que já foi dito, apresentado, não tem mais valor? Renega o que foi dito em nome de algo que não te conduzirá a nada, além de mais prantos?

Repense, reflita, pare, olhe e escute!

Um franco abraço de seu amigo!
Rodrigues Pinheiro